Escritório Carvalhaes - Corretores de Café Rua do Comércio, 55 - 8ª andar - Santos/SP - Brasil - Cep. 11010-141 - Tel. (13) 2102-5778 -23.93422, -46.328565

Boletim semanal - ano 89 - n° 3

Abaixo está o último boletim publicado.

Se quiser consultar boletins anteriores, clique aqui.

Santos, sexta-feira, 21 de janeiro de 2022

No início desta semana, o CECAFÉ – Conselho dos Exportadores de Café do Brasil divulgou os embarques brasileiros de café em dezembro último. Embarcamos 3.796.399 milhões de sacas e totalizamos exportações em 2021 de 40.371.703 milhões de sacas de 60 kg. Foi o terceiro ano seguido com exportações acima de 40 milhões de sacas, consolidando um novo patamar para as exportações brasileiras de café, que no início deste século ficavam ao redor de 20 milhões de sacas. Dobramos o volume de nossas exportações em apenas 20 anos. Chama a atenção o fato de que apesar de nossas exportações passarem de 40 milhões de sacas nos últimos 3 anos, os estoques de café nos países importadores não cresceram. Se somarmos ao consumo brasileiro de café, que está acima de 22 milhões de sacas, fica claro que o Brasil necessita, para cumprir seus compromissos de exportação e consumo interno, de safras médias (entre ano de safra alta e de safra baixa) de 63 milhões de sacas.

Na terça-feira a CONAB – Companhia Nacional de Abastecimento, divulgou sua primeira estimativa para a safra brasileira de café 2022/2023. Estimou em 55,7 milhões de sacas, 16,8% mais que as 47,72 milhões previstas pela CONAB para nossa produção em 2021/2022. O número apresentado agora pela CONAB revoltou os cafeicultores brasileiros. Consideraram muito alto para o estado atual de nosso parque cafeeiro, depois de um ano e meio de seca e três geadas em julho último.

Nas próximas semanas teremos opiniões dos agrônomos brasileiros sobre essa estimativa. Mas, é bom lembrar, que se somarmos as 47,72 milhões de sacas da safra 2021, com as 55,7 milhões de sacas estimadas para 2022, chegaremos a 103,47 milhões de sacas. Não temos estoques governamentais, e, portanto, precisaríamos de 126 milhões de sacas para atender dois anos dos compromissos brasileiros de exportação e consumo interno. Faltam 22,5 milhões de sacas.

Os números divulgados pelo CECAFÉ esta semana sobre as exportações brasileiras em 2021, chamam atenção pelo avanço das exportações de café para a China e para outros países produtores de café. A Colômbia, segundo maior produtor de café arábica do mundo, foi o sétimo principal destino das exportações brasileiras em 2021. O país vizinho adquiriu 1,158 milhão de sacas, apresentando o maior crescimento porcentual em volume de nossas exportações. Cresceram 289.561 sacas, o que equivaleu a uma alta de 33,4 %. Entre os cinco maiores produtores de café do mundo, o Brasil só não exporta para a Etiópia. O Brasil vem ampliando seu mercado nesses países produtores, que vêm expandindo o consumo e criando oportunidades de negócios para o Brasil. Essas compras de cafés do Brasil significam que as safras de nossos concorrentes não são grandes o suficiente para atender o consumo interno crescente e suas exportações. Não sabemos qual a qualidade que eles estão comprando, nem com que finalidade, mas se estão comprando, é que não têm café suficiente. Em termos de volume, a China foi o segundo maior destaque nas compras de 2021, ficando atrás apenas da Colômbia. Segundo o Cecafé, houve um aumento de 65%, 132.003 sacas, na comparação com 2020. Até 2021, a China ocupava a 36ª posição no ranking, passando para 24ª posição em 2021. Nos 12 meses do ano passado, os chineses adquiriram 333.648 sacas de café brasileiro (site “Notícias Agrícolas”).

Esta semana, os contratos de café em Nova Iorque oscilaram bastante. Hoje trabalharam em baixa. Os contratos com vencimento em março próximo bateram em US$ 2,4220 na máxima do dia e em US$ 2,3600 na mínima. Fecharam com perdas de 575 pontos, encerrando esta sexta-feira a US$ 2,3790 por libra peso. Ontem fecharam em queda de 80 pontos, a US$ 2,4365 por libra peso. Anteontem subiram 485 pontos. Na terça-feira recuaram 5 pontos. No balanço desta terceira semana de 2022, após todo o sobe e desce, os contratos para março somaram 175 pontos de baixa. Na semana passada subiram 120 pontos, e na primeira semana do ano tiveram ganhos de 1235 pontos. Nestas três primeiras semanas de 2022, acumularam ganhos de 1 180 pontos. Encerraram 2021 valendo US$ 2,2610 por libra peso. Continuaremos assistindo muita oscilação como reflexo de interesses de curto prazo.

O dólar encerrou esta sexta-feira em alta de 0,70%, a R$ 5,4550. Na semana, o dólar acumulou queda de 1,06% frente ao real. Em janeiro, até hoje, a retração é de 2,16% (Valor Econômico). Em reais por saca, os contratos para março próximo fecharam hoje valendo R$ 1 716,66. Ontem fecharam a R$ 1 745,90. Na sexta-feira passada, fecharam a R$ 1 747,67.

Os fundamentos permanecem firmes. Continua sendo maior a preocupação com a queda na produção mundial de café e com os entraves logísticos mundiais, que tornam o quadro ainda mais complicado. A irregularidade do clima, os estoques baixos, no Brasil e no mundo, e a forte alta dos insumos assustam os cafeicultores, que continuam arredios em vender o que resta de lotes da atual safra 2021/2022 nas bases de preços oferecidas atualmente. No mercado físico brasileiro, com Nova Iorque trabalhando em queda hoje, os compradores diminuíram o valor das ofertas em relação ao oferecido ontem. O mercado na prática não trabalhou. O número de lotes fechados nesta semana foi pequeno frente ao necessário para atender as necessidades brasileiras para exportação e consumo interno. Os cafeicultores começaram a colocar lotes no mercado neste início de 2022, mas nas bases de preços oferecidas pelos compradores o volume de negócios fechados até agora foi decepcionante.

O CECAFÉ – Conselho dos Exportadores de Café do Brasil informou que no último mês de dezembro foram embarcadas 3.786.399 sacas de 60 kg de café, aproximadamente 14 % ( 623.142 sacas) menos que no mesmo mês de 2020 e 18 % (587.312 sacas) mais que no último mês de novembro. Foram 3.198.098 sacas de café arábica e 131.056 sacas de café conilon, totalizando 3.329.154 sacas de café verde, que somadas a 454.238 sacas de solúvel e 3.007 sacas de torrado, totalizaram 3.786.399 sacas exportadas em dezembro último.

A "Green Coffee Association" divulgou que os estoques americanos de café verde totalizaram 5.833.692 em 31 de dezembro de 2021. Uma baixa de 10.029 sacas em relação às 5.843.721 sacas existentes em de novembro de 2021.

Até dia 21, os embarques de janeiro estavam em 1.115.390 sacas de café arábica, 27.337 sacas de café conillon, mais 79.582 sacas de café solúvel, totalizando 1.222.309 sacas embarcadas, contra 1.170.571 sacas no mesmo dia de dezembro. Até o mesmo dia 21 os pedidos de emissão de certificados de origem para embarque em janeiro totalizavam 1.850.175 sacas, contra 2.266.183. sacas no mesmo dia do mês anterior.

A bolsa de Nova Iorque – ICE, do fechamento do dia 14, sexta-feira, até o fechamento de hoje, dia 21, caiu nos contratos para entrega em março próximo 175 pontos ou US$ 2,31 (R$ 12,62) por saca. Em reais, as cotações para entrega em março próximo na ICE fecharam no dia 14 a R$ 1.747,67 por saca, e sexta-feira dia 21 a R$ 1.716,66. Hoje sexta-feira, nos contratos para entrega em março a bolsa de Nova Iorque fechou com baixa de 575 pontos.

Escritório Carvalhaes

 

Cotações de Café

quinta-feira, 27 de janeiro de 2022

 

US$/saca 60 Kg

Gráfico
  • CD Finos
  • Fino/Extra
  • Boa Qualidade

  • Duro Fraco
  • Riados
  • Rio

  • Consumo Dura
  • Consumo Riada
  • NY

Mercado físico:

25/01/2022 - Calmo - cotações nominais.

Indicador de preços OIC - 24/01/2022 - Colombian Mild Arabicas: 291,02
- Brazilian Naturals: 230,15
(US cents por libra)
Fonte: OIC - Organização Internacional do Café


Mercado de Café safra 2021/2022
Cafés Físico Fech. Mín. Máx.
CD Finos 25/01/221,580,001,650,00
Fino/Extra 25/01/221,540,001,580,00
Boa Qualidade 25/01/221,500,001,530,00
Duro Fraco 25/01/221,460,001,480,00
Riados 25/01/221,420,001,450,00
Rio 25/01/221,340,001,380,00
Consumo Dura 25/01/221,380,001,400,00
Consumo Riada 25/01/221,350,001,380,00
por saca 60,5 kg - tipo 6 para melhor (em R$) Fonte: Carvalhaes
Cotações de NY
contrato fech. U$ var. R$
MAR22 26/01/22 238.90 100  1.719,13 
MAY22 26/01/22 239.25 110  1.721,65 
JUL22 26/01/22 238.45 105  1.715,89 
SEP22 26/01/22 237.45 100  1.708,70 
DEC22 26/01/22 237.45 90  1.695,39 
MAR23 26/01/22 234.55 90  1.687,83 
U$ cnt / Lb - R$ / saca 60 kg (contrato C)
Cotações da Bolsa de São Paulo (BMF)
contrato fech. U$ var. R$
MAR22 26/01/22 292.75 60,15  1.594,74 
MAY22 26/01/22 291.05 58,45  1.582,22 
JUL22 26/01/22 292.65 60,05  1.592,02 
SEP22 26/01/22 292.95 60,35  1.591,20 
por saca 60,5 kg
Cotações da Bolsa de Londres (LIFFE)
contrato fech. U$ var. R$
JAN22 26/01/22 2,211.00 -26  12.027,84 
MAR22 26/01/22 2,187.00 -16  11.897,28 
MAY22 26/01/22 2,178.00 -13  11.848,32 
JUL22 26/01/22 2,175.00 -12  11.832,00 
por tonelada - café robusta
cotações do câmbio
moeda un valor data
Dólar Com. R$ 5,4400 26/01/22
Euro US$ 1,1307 24/01/22